Não reclame, era isso que você queria.

  Ele me chamou para ir à sua casa como amigo, disse que iria me mostrar algo que eu estava procurando a tempos, como quem não quisesse nada e como amiga eu fui. Chegando na casa dele fomos até seu quarto onde quase todo mundo recebe os amigos. Eu não suspeitava de nada, tudo estava aparentemente normal.
  Entramos e ele fechou a porta, nisso eu senti um desconforto, mas nada de mais. Quando ele fechou a porta, ele estava falado sobre jogos e deixando o assunto aos poucos veio até a mim.
  Eu não estava entendendo nada, ele estava muito estranho, então comecei a dar pequenos passos para trás sem entender, nisso ele aumentou o som que estava ouvindo antes que eu chegasse. Continuou andando em minha direção e quando chegou perto o suficiente me agarrou firmemente. Claro que questionei sobre o que estava acontecendo, mas ele não me respondia, eu pedia para ele me soltar, mas ele também não atendia, então comecei a elevar minha voz e nada adiantava.
  Ele me levou a força para sua cama, então comecei a gritar. Com um de seus braços ele me abraçou firme me imobilizando e com a outra mão livre rasgou minhas roupas.
  Eu já estava implorando quase chorando para ele parar, tudo em vão.
  Qualquer brecha que ele dava na força eu tentava escapar, mas ele me puxava, então ele me virou de costas para cima, jogou o peso de seu corpo sobre o meu e com uma mão segurando meus punhos e com suas pernas ele separou as minhas, a mão livre me tocava como se estivesse procurando.
  Por mais que eu estivesse agitada não pude deixar de sentir o quão quente estava seu pau quando me penetrou. Eu já não me mexia tanto quanto.
  Ele me penetrava forte, mas com calma e a cada vez que ele enfiava em mim, não havia como não prestar atenção em sua respiração forte, mesmo com aquele todo barulho, sua respiração era marcante. Eu ainda murmurava pedindo para parar.
  Depois de um tempo ele colocou sua mão em baixo de minha cintura e me levantou de forma que eu ficasse de quatro, só que empinada, ele fechou minhas pernas e as prendeu com as suas sobre elas. Sempre soube que anal doeria, mas nunca imaginei que seria tanto assim. Meu grito foi tão alto que quase não saia um som de mim, mordi a fronha da cama de tanto contrair meu corpo, um mero reflexo da dor.
  Assim que ele enfiou seu pau e vendo minha dor, ele ficou por instantes parado, mas só por instantes. Ele começou a me comer e eu não sabia se era impressão minha, mas seu pau parecia estar mais duro. 
  Como aquilo doeu e eu chorava muito, a dor era tanta que nem forças para sair dali eu tinha. 

  Sabe aquele momento em que você sente que ele está prestes a gozar? Então, eu não sei o que doeu mais se este momento ou se foi quando ele me penetrou de vez. Ele fica mais rígido, quente, pulsante, grosso, ... mas o mais marcante foi o som que ele fez, aquele gemido me dá aquele frio na barriga só de lembrar.
  Não vou negar, dolorido ou não por um lado eu gostei. Acho que se não tivesse sido a força, nunca teria acontecido, não assim. Seria cheio de frescuras, posso ou não posso.
  Quando tudo acabou, ele se virou ao meu lado eu ainda estava murmurando de dor, então ele falou "Você estava procurando isso, e fazia tempo. Só te mostrei porque você insistiu..."

  Não há como não se excitar com isso, não há como não se excitar com ele.

"Odeio minha mente por tudo isso."

.
L.

4 comentários :

  1. Respostas
    1. De fato, gosto assim curto, direto, ousado, intelectual e forte, ou seja, homens de poucas palavras, porém de muitas atitudes. Excitante!

      Excluir
  2. Doeu... mas você gostou... se não gostasse não cotaria.
    Mas olhe..comer o cuzinho é uma arte..por e deixar...deixar mexer..... por e tirar....
    Tenho um post sobre isso... você via gostar do meu blog, como amei o teu!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpe pela demora da resposta.

      Já estou com o seu blog a vista em outra guia. Breve continuarei lendo.

      Grata.

      Excluir